quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

You think English is easy???


1) The bandage was wound around the wound.

2) The farm was used to produce produce.

3) The dump was so full that it had to refuse more refuse.

4) We must polish the Polish furniture.


5) He could lead if he would get the lead out.


6) The soldier decided to desert his dessert in the desert.

7) Since there is no time like the present, he thought it was time to present the present .

8) A bass was painted on the head of the bass drum.

9) When shot at, the dove dove into the bushes.

10) I did not object to the object.

11) The insurance was invalid for the invalid.

12) There was a row among the oarsmen about how to row.

13) They were too close to the door to close it.

14) The buck does funny things when the does are present.

15) A seamstress and a sewer fell down into a sewer line.

16) To help with planting, the farmer taught his sow to sow.

17) The wind was too strong to wind the sail.

18) Upon seeing the tear in the painting I shed a tear.

19) I had to subject the subject to a series of tests.


20) How can I intimate this to my most intimate friend?



Let's face it - English is a crazy language. There is no egg in eggplant, nor ham in hamburger; neither apple nor pine in pineapple. English muffins weren't invented in England or French fries in France . Sweetmeats are candies while sweetbreads, which aren't sweet, are meat. We take English for granted.


But if we explore its paradoxes, we find that quicksand can work slowly, boxing rings are square and a guinea pig is neither from Guinea nor is it a pig.

And why is it that writers write but fingers don't fing, grocers don't groce and hammers don't ham? If the plural of tooth is teeth.


Why isn't the plural of booth, beeth? One goose, 2 geese. So one moose, 2 meese? One index, 2 indices?


Doesn't it seem crazy that you can make amends but not one amend? If you have a bunch of odds and ends and get rid of all but one of them, what do you call it?

If teachers taught, why didn't preachers praught? If a vegetarian eats vegetables, what does a humanitarian eat?


Sometimes I think all the English speakers should be committed to an asylum for the verbally insane. In what language do people recite at a play and play at a recital? Ship by truck and send cargo by ship? Have noses that run and feet that smell?

How can a slim chance and a fat chance be the same, while a wise man and a wise guy are opposites? You have to marvel
at the unique lunacy of a language in which your house can burn up as it burns down, in which you fill in a form by filling it out and in which, an alarm goes off by going on.

English was invented by people,
not computers, and it reflects the creativity of the human race, which, of course, is not a race at all. That is why, when the stars are out, they are visible, but when the lights are out, they are invisible.

PS. - Why doesn't 'Buick' rhyme with 'quick' ?

You lovers of the English language might enjoy this .

There is a two-letter word that perhaps has more meanings than any other two-letter word, and that is 'UP.'


It's easy to understand
UP, meaning toward the sky or at the top of the list, but when we awaken in the morning, why do we wake UP ? At a meeting, why does a topic come UP ? Why do we speak UP and why are the officers UP for election and why is it UP to the secretary to write UP a report ?

We call UP our friends. And we use it to brighten UP a room, polish UP

the silver; we warm UP the leftovers and clean UP the kitchen. We lock UP the house and some guys fix UP the old car. At other times the little word has real special meaning. People stir UP trouble, line UP for tickets, workUP an appetite, and think UP excuses. To be dressed is one thing, but to be dressed UP is special.

And this
UP is confusing: A drain must be opened UP because it is stopped UP. We open UP a store in the morning but we close it UP at night.

We seem to be pretty mixed UP about UP ! To be knowledgeable about the proper uses of UP, look the word UP in the dictionary. In a desk-sized dictionary, it takes UP almost 1/4th of the page and can add UP to about thirty definitions. If you are UP to it, you might try building UP a list of the many ways UP is used. It will take UP a lot of your time, but if you don't give UP, you may wind UP with a hundred or more. When it threatens to rain, we say it is clouding UP . When the sun comes out we say it is clearing UP...

When it rains, it wets the earth and often messes things UP.

When it doesn't rain for awhile, things dry
UP.

One could go on and on, but I'll wrap it UP, for now my time is UP, so........it is time to shut UP!

Oh . . . one more thing:

What is the first thing you do in the morning & the last thing you do at night?
U-P

sábado, 6 de dezembro de 2008

Iraq translators' mask ban dropped

Unidentified Iraqi interpreter in file image from January 2006
Interpreters provide vital local knowledge, as well as language skills.

By Humphrey Hawksley
BBC News, Baghdad

The Pentagon has rescinded a controversial decision that banned Iraqi interpreters working for US troops in Baghdad from protecting their identities by wearing ski-masks.

The ban was meant to reflect the improved security situation - in which interpreters were no longer afraid of retaliation. But that is not the case.

"If anyone of my neighbours see me with this uniform I will get killed," said an interpreter working with the US 4-10 Cavalry Regiment, which patrols a large part of western Baghdad.

"Maybe they will kill my family. That's the issue", he added.

About 30 interpreters work with the 300 troops from a large camp that used to be a luxury shopping mall.

To be a successful linguist you have to act when you translate, to make the other side understand if they are serious or not serious

Zeeman, an Iraqi translator

Another interpreter, who only wanted to be known as Zeeman, said he had worked for too many years against too many different militia to feel safe.

"I am married and I have a family and we have to remember that these forces are leaving one day and we are staying here."

He explained further: "If these people here see the same faces as they see with the Americans and American is not here…?" The question was left hanging, with no doubt as to his fear.

Some 300 interpreters have been killed during the war in Iraq, and they are seen as a crucial link between the US forces and Iraqi communities trying to recover from the years of violence.

"It would have been tough to get where we are today without our interpreters," said the regiment commander, Colonel Monty Willoughby.

"We know that they get spooked and scared, and we try to protect their identity as much as possible."

'At grave risk'

Out on patrol with Zeeman, we called first at a local Iraqi police station where he translated an intelligence briefing.

We then headed to a empty building lot nearby where it was thought weapons might be hidden.

He apologised to the residents as our Humvees blocked the street and during the search - that yielded nothing - he liaised between the police and the US soldiers.

Finally, he introduced the patrol commander to Iraqi soldiers manning traffic checkpoints.

"To be a successful linguist you have to act when you translate - act exactly what's going on - to make the other side understand if they are sad, if they are happy, if they are serious or not serious."

US officials at first tried to defend the Pentagon ruling, saying interpreters could seek alternative employment if they were unhappy with it.

An Iraqi interpreter in Ramadi
Interpreting through interrogation in Ramadi, Iraq

But the issue was taken up by Democratic Senator Ron Wyden. He sent a Congressional petition to the US Defence Secretary Robert Gates.

"Preventing interpreters from concealing their identities puts their lives, as well as the lives of their families at grave risk," said the petition letter.

It went on: "The heightened threat could also reduce the numbers of interpreters available in Iraq, due to death and resignations, and put American service members and their missions in danger."

Col Willoughby said the mask ban had now been lifted and that decisions could be made at an operational level.

"We ask them not to wear masks," he said. "But troop commanders can make that determination."

Zeeman does not give his real name and does not want his face filmed.

He has worked without a mask for some time, realising that it helps the hearts and minds campaign. "But the decision needs to be in my hands, not in the hands of someone in Washington who knows nothing about how we work."

Go to original article

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Learning languages 'boosts brain'


Image of brain
Learning languages enhances the brain, scientists believe
Learning a second language "boosts" brain-power, scientists believe.

Researchers from University College London studied the brains of 105 people - 80 of whom were bilingual.

They found learning other languages altered grey matter - the area of the brain which processes information - in the same way exercise builds muscles.

People who learned a second language at a younger age were also more likely to have more advanced grey matter than those who learned later, the team said.

Scientists already know the brain has the ability to change its structure as a result of stimulation - an effect known as plasticity - but this research demonstrates how learning languages develops it.

It means that older learners won't be as fluent as people who learned earlier in life
Andrea Mechelli, of University College London

The team took scans of 25 Britons who did not speak a second language, 25 people who had learned another European language before the age of five and 33 bilinguals who had learned a second language between 10 and 15 years old.

The scans revealed the density of the grey matter in the left inferior parietal cortex of the brain was greater in bilinguals than in those without a second language.

The effect was particularly noticeable in the "early" bilinguals, the findings published in the journal Nature revealed.

The findings were also replicated in a study of 22 native Italian speakers who had learned English as a second language between the ages of two and 34.

Lead researcher Andrea Mechelli, of the Institute of Neurology at UCL, said the findings explained why younger people found it easier to learn second languages.

Impact

"It means that older learners won't be as fluent as people who learned earlier in life.

"They won't be as good as early bilinguals who learned, for example, before the age of five or before the age of 10."

But Cilt, the national centre for languages, cast doubt on whether learning languages was easier at a younger age.

A spokeswoman said: "There are conflicting views about the comparative impact of language learning in different age groups, based both on findings and anecdotal evidence."

However, she said it was important to get young people learning languages in the UK.

Only one in 10 UK workers can speak a foreign language, a recent survey revealed.

But by 2010 all primary schools will have to provide language lessons for children.

Go to original article

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Comemorando 20 anos de parceria com a Odebrecht

Há duas décadas, Sabrina Gledhill e a Organização Odebrecht iniciaram uma parceria duradoura – ela como parceira e fornecedora e a Odebrecht como parceira e cliente. “É uma relação que é eterna enquanto dura,” brinca Sabrina. Inglesa, ela veio para o Brasil no final de 1986, com o intuito de fazer pesquisas preliminares para um doutorado em História – já estava matriculada na UCLA, nos Estados Unidos. Pretendia passar 3 meses na Bahia, mas acabou ficando. Depois de casada e já grávida de 7 meses de sua filha Isis, foi indicada para dar aulas de inglês a um diretor da Odebrecht. Aos poucos, num processo de educação no e pelo trabalho, foi incumbida com a responsabilidade de fazer as traduções da Holding da organização, inclusive as Edições Culturais (hoje Prêmio Clarival do Prado Valladares), a revista Odebrecht Informa (OI) e o Relatório Anual. Nesta entrevista, Sabrina relembra alguns dos marcos deste relacionamento.

P – Com esse nome, podemos considerá-la 100% inglesa?

R – Bem, meu nome é 100% britânico. Sabrina é o nome que os romanos deram ao Rio Severn, no sul da Inglaterra. Gledhill vem do norte, assim como meus pais. Eu nasci na cidade de Brantford e cresci em Porto Rico, onde cheguei com 18 meses e saí com 11 anos e meio, e depois passei quase 7 anos nos Estados Unidos, até que minha família finalmente voltou para a Inglaterra. Sempre me considerei inglesa, com muito orgulho, mas antropologicamente falando, sou latino-britânica ou anglo-latina.

P – Porto Rico é uma colônia bilíngüe dos Estados Unidos. Você fala espanhol?

R – Desde criança, mas, no início, nem sabia por que ou como eu cheguei a ter este dom. Felizmente, comecei a estudar a língua formalmente antes de deixar Porto Rico e continuei no High School e na Escola Internacional da ONU (UNIS) em Nova Iorque. Caso contrário, teria esquecido, como aconteceu com meus irmãos, que são boricua de nascença – todos os três nasceram na cidade de Ponce, na costa sul de Porto Rico. Consegui manter a fluência porque morei na Espanha (em 1977) e em Los Angeles (de 1978 a 1986), mas depois de tantos anos no Brasil, está um pouco enferrujado.

P – Falar espanhol facilitou sua aprendizagem da língua portuguesa?

R – Sem dúvida. O desejo de aprender português começou quando eu tinha 10 anos e minha família foi passar as férias na Inglaterra e Portugal. Fiquei frustrada porque, durante nossa estada em Lisboa, os portugueses entendiam meu espanhol mas eu não entendia nada do que falavam. Quando fiz o mestrado em Estudos Latino-Americanos na UCLA (onde me formei em 1986), aproveitei a exigência de língua portuguesa. Para mim foi uma grata opção. Fiz um curso acelerado para alunos que já falavam espanhol. Foi bom, porque quando cheguei ao Brasil, ainda falava pouco, mas tinha uma boa base de gramática. Infelizmente, continuo sem entender o que os portugueses falam, mas pelo menos, acontece o mesmo com quase todos os brasileiros. Textos escritos, eu entendo.

P – Como foi sua chegada à Odebrecht?

R – Foi por recomendação do Prof. James Riordan, um norte-americano quase baiano que já mora aqui há mais de 30 anos. Na época, ele era diretor acadêmico da Acbeu – a Associação Cultural Brasil-Estados Unidos. Comecei como professora de inglês de Luiz Edmundo Prestes Rosa e quando ele se desligou da empresa, seu sucessor, Márcio Polidoro (hoje Responsável por Comunicação Empresarial na Odebrecht S.A.), tornou-se meu aluno e cliente-parceiro também. Quanto às traduções, foram chegando aos poucos. Seguindo a filosofia da Tecnologia Empresarial Odebrecht (TEO), Luiz Edmundo, seguido por Sergio Foguel – hoje Membro do Conselho da Odebrecht S.A. – quando Responsável por Planejamento e Desenvolvimento (o que incluía a revista OI e as edições culturais) e Márcio Polidoro me confiaram cada vez mais responsabilidade. Já traduzi 14 edições da Odebrecht, inclusive "Sobreviver, Crescer e Perpetuar", "Educação pelo Trabalho" e "De Que Necessitamos?", de Norberto Odebrecht, e o mais recente livro do Prêmio Clarival do Prado Valladares que está sendo lançado este mês (novembro de 2008).

P – Mas a Odebrecht já estava em vias de se tornar uma empresa multinacional. Porque não contrataram tradutores nos Estados Unidos, por exemplo?

R – Era justamente o que faziam até o final de 1988. Um perfil da empresa foi traduzido nos EUA, mas quando me pediram para revisar, percebi que havia um problema que transcendia a língua em si – os tradutores de lá não conheciam as realidades do Brasil.

P – Pode dar um exemplo?

R – O exemplo mais marcante foi a tradução do título do livro “Real Forte Príncipe da Beira” como “Royal Strong Prince of Beira” – como se fosse o nome de um príncipe real...e forte! Foi nesse momento que consegui convencer o cliente que seria melhor trabalhar com uma profissional que conhece ambas as línguas e ambas as realidades.

P – Mas você era professora de inglês na época. Simplesmente confiaram no seu potencial?

R – De certo modo, sim, mas também me pediram para apresentar meus diplomas de bacharelado e mestrado. Nada mais justo. Tenho graduação em Letras Inglesas, Summa cum Laude (conceito máximo), e mestrado em Estudos Latino-Americanos, com enfoque na História, Antropologia e Ciência Política do Brasil na virada do século XIX. Ambos pela Universidade da Califórnia em Los Angeles – UCLA (por sinal, uma das “alma mater” do Sergio Foguel). Também, me formei na única “escola de jornalismo” que tinha na UCLA – o jornal Daily Bruin, onde cheguei a ser Editora responsável pela seção de Cultura e Lazer – e trabalhei com tradução e editoração de livros no Centro de Estudos Latino-Americanos e no Centro de Estudos Afro-Americanos da mesma faculdade.

P – Então foi um golpe de sorte para ambas as partes?

R – De certo modo, mas também acho que foi graças ao meu amigo e mentor James Riordan, que fez o papel de “cupido”. Foi o início de uma relação que é eterna enquanto dure. Compartilhamos os mesmos valores e a mesma filosofia de trabalho. Tive a oportunidade de colaborar diretamente com Sergio Foguel quando comecei. Trabalhamos juntos para forjar o “vocabulário da Odebrechtês” em inglês.

P – As traduções da Odebrecht são diferentes dos textos convencionais?

R – Com certeza, quando tem a ver com a TEO, sim. Por exemplo, o Sergio me explicou que, para a Odebrecht, o termo “empresário” tem que ser traduzido como “entrepreneur” (também pode ser “business leader”, dependendo do contexto) e não “businessperson” por causa da filosofia da organização, que já estava se tornando uma referência e é hoje aceita e aplicada no mundo todo. Os conceitos do empresariamento e do empreendedorismo ainda eram muito incipientes no mundo dos negócios. Desenvolvemos um livreto com o glossário básico em inglês e português. Ao mesmo tempo, acabei assimilando a TEO em inglês e português.

P – Quando foi que começou a traduzir as edições culturais da Odebrecht?

R – Mais uma vez, foi através do processo de educação no e pelo trabalho. Comecei revisando livros traduzidos por outros profissionais. O primeiro foi "Carybé". Minha filha Isis estava recém nascida e revisei os textos com ela dormindo no Moisés, ao meu lado. No ano seguinte, traduzi o livro "Bahias" para a Editora Corrupio e logo depois surgiu a oportunidade de fazer minha primeira tradução de um livro para a Odebrecht – "Angola e a Expressão de Sua Cultura Material".

P – A Odebrecht trabalha com outros tradutores de longa data?

R – Quando cheguei, tinha um tradutor para o francês e uma tradutora para o espanhol – Maria da Glória Rodriguez (mais conhecida como Nené Werneck). A Nené tem muito mais tempo de Odebrecht do que eu, mas não tenho coragem de perguntar quanto! Ela, junto com a filha, Maria da Glória Lampreia, faz as traduções da revista Odebrecht Informa e dos livros traduzidos do português para o espanhol, ou vice-versa. Formamos uma parceria que chamamos a Central Unificada de Tradutores – CUT, trabalhando diretamente com a Versal, a editora responsável pela revista Odebrecht Informa e outras publicações da Odebrecht, e Maria Célia Olivieri, que coordena as edições em inglês e espanhol, mas também atendendo às demandas da Holding e das empresas da Odebrecht – e o programa do Prêmio Clarival do Prado Valladares, é claro.

P – Quais são seus planos para o futuro?

R – Agora tenho duas filhas, a Isis e a Bárbara. Ambas estão na faculdade e a Bárbara está prestes a se formar em Turismo. Chegou a hora de retomar meus estudos e, se Deus quiser, vou voltar à academia e fazer um doutorado em História ou Estudos Étnicos na UFBA.

P – Pretende continuar a trabalhar na área de tradução?

R – Enquanto tiver demanda e trabalho, continuarei, sim, porque tenho vocação e paixão por esta arte e ofício, mas minha grande paixão – minhas filhas aparte – é a pesquisa. Estou estudando as relações raciais do Brasil e dos Estados Unidos – com enfoque em Manuel Querino e Booker T. Washington – e a presença britânica na Bahia. Com o apoio da pequena equipe de tradutores que estou formando, conseguirei conciliar os estudos e o trabalho.

P – E quanto à Bahia? Pretende morar aqui para sempre?

R – Nunca digo nunca, nem sempre. Mais uma vez, é uma paixão eterna enquanto dure. Mas por enquanto, não consigo me imaginar morando em outro lugar. A Bahia para mim é como a terra onde cresci. As grandes diferenças são a língua e a moeda, mas as paisagens, os climas e os povos são quase iguais.

Serviços prestados à Odebrecht - destaques

Livros bilingües revisados:
  • 1989 Carybé
1990
  • Nordeste Histórico e Monumental Vol. IV
Livros traduzidos (português>inglês):

1991
  • Angola e a Expressão de Sua Cultura Material
1992
  • Educação pelo Trabalho
1993
  • Mapa – Imagens da Formação Territorial Brasileira
  • 2a edição de Sobreviver, Crescer e Perpetuar
1994
  • O Brasil dos Viajantes
1996
  • Graminho, Alma do Saveiro

1998
  • O Exército na História do Brasil
  • 3a edição de Sobreviver, Crescer e Perpetuar
2003
  • O Livro dos Livros da Biblioteca Real
  • Desafios da Engenharia no Portugal
  • Azulejos Reitoria da Universidade Federal da Bahia
2007
  • A Talha Neoclássica na Bahia
  • Calasans Neto
  • Escrito na Pedra: cor, forma e movimento nos grafismos rupestres da Bahia

2008
  • De Que Necessitamos
  • A História do Brasil de Frei Vicente do Salvador

Outros destaques:
  • Versão inglesa da revista Odebrecht Informa, a partir de setembro de 1991
  • Versão inglesa do Relatório Anual da Organização Odebrecht, a partir de 1989

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

E-mail error ends up on road sign

Mis-translated bilingual road sign
The English is clear enough to lorry drivers - but the Welsh reads "I am not in the office at the moment. Please send any work to be translated."

When officials asked for the Welsh translation of a road sign, they thought the reply was what they needed.

Unfortunately, the e-mail response to Swansea council said in Welsh: "I am not in the office at the moment. Please send any work to be translated".

So that was what went up under the English version which barred lorries from a road near a supermarket.

"When they're proofing signs, they should really use someone who speaks Welsh," said journalist Dylan Iorwerth.

It's good to see people trying to translate but they should really ask for expert help
Dylan Iorwerth, Golwg magazine
Swansea council became lost in translation when it was looking to halt heavy goods vehicles using a road near an Asda store in the Morriston area

All official road signs in Wales are bilingual, so the local authority e-mailed its in-house translation service for the Welsh version of: "No entry for heavy goods vehicles. Residential site only".

The reply duly came back and officials set the wheels in motion to create the large sign in both languages.

'No idea'

The notice went up and all seemed well - until Welsh speakers began pointing out the embarrassing error.

Site of wrongly translated sign
The sign was lost in translation - and is now missing from the roadside
Welsh-language magazine Golwg was promptly sent photographs of the offending sign by a number of its readers.

Managing editor Mr Iorwerth said: "We've been running a series of these pictures over the past months.

"They're circulating among Welsh speakers because, unfortunately, it's all too common that things are not just badly translated, but are put together by people who have no idea about the language.

"It's good to see people trying to translate, but they should really ask for expert help.

"Everything these days seems to be written first in English and then translated.

"Ideally, they should be written separately in both languages."

A council spokeswoman said : "Our attention was drawn to the mistranslation of a sign at the junction of Clase Road and Pant-y-Blawd Road.

"We took it down as soon as we were made aware of it and a correct sign will be re-instated as soon as possible."

Go to original

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Feliz Dia do Tradutor!


O santo padroeiro da tradução é S. Jerônimo e 30 de setembro é nosso dia. Parabéns!

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Circulando o saber

http://www.cptraducoes.com.br/noticias.asp
Você aceita uma OVERTABLE?
H. Sabrina Gledhill

Há pouco tempo, chamaram minha atenção ao website do Departamento de Turismo de um país latino-americano. Escrito em seu próprio idioma, o espanhol, fornecia também versões em inglês e português. A língua de Shakespeare encontrava-se num estado lastimável ("renovable visas" e outros tantos), mas o que mais me impressionou foram as reações de brasileiros quando testemunharam o massacre da língua de Camões. Variavam do escárnio à raiva. Aí, me perguntei, será que a maioria dos brasileiros sabe como e quanto o inglês e o espanhol são massacrados nas versões realizadas em seu país?

Existem mais pessoas no mundo que falam o inglês como segunda língua do que ditos nativos. Portanto, aqueles que "nascem" falando o inglês não só perdoam sotaques (eufemismo para má pronúncia e erros de gramática) como acham cute (bonitinho) e até românticos ou sexy, por exemplo, nos casos de Sônia Braga ou Antonio Banderas. Mas, convenhamos, uma grande empresa ou órgão do governo não ficaria nem um pouco contente se um relatório anual ou livro de arte seu, que representa um farto investimento na sua imagem, fosse considerado, na melhor das hipóteses, cute. Se quiserem ser levados a sério e até evitarem o ridículo no mercado globalizado, é preciso certificar que o seu inglês seja "para inglês ver". Por que isto é difícil?

Para a maioria das pessoas físicas e jurídicas, contratar um tradutor para verter um texto é parecido com um cego ou míope que contrata alguém para pintar sua casa. Como é que ele pode certificar que seu domicílio foi pintado de azul claro, como combinaram, e não de roxo ou rosa choque? Naturalmente, a resposta é óbvia: contratando uma pessoa de confiança e conferindo com terceiros que enxergam bem. Ao contrário, só descobrirá o mau resultado quando ouvir as risadas e até piadas daqueles que passam em frente à casa.

Mas isto é apenas uma face da moeda. O tradutor seria melhor comparado a um artista plástico que a um pintor de paredes. O artista pode ser daqueles que "pintam pelos números", retratando cada feição do modelo com fidelidade fotográfica, mas deixando de mostrar o conjunto e até a alma da pessoa. Se tiver talento, experiência e instrução, será daqueles que interpretam, recriam e espelham o modelo, produzindo uma obra que é uma festa para os olhos. Quando o tradutor se prende às palavras, o significado se perde de vista. E muitas palavras são amigas da onça – por exemplo, a palavra "azul" só pode ser vertido para o inglês como "blue" quando, de fato, se trata de quadros, paredes etc. Os significados que fogem do pé da letra são muito diferentes. Em outros contextos, a palavra "blue" pode ser "triste" ("I'm blue"). Pode também significar "pornô" quando se trata de cinema ("blue movies"). O comprador que se cuide…

É necessário, portanto, um profundo conhecimento das nuanças e da cultura da língua alvo, além do idioma em si. Infelizmente, muitos tradutores que fazem ótimas traduções para o português tropeçam nas palavras quando realizam versões. Certa feita, fui convidada a verter as legendas de um livro para o inglês. Quando surgiu uma dúvida quanto à versão de um termo no miolo (para manter a uniformidade), estranhei a resposta e o cliente pediu que eu revisasse o livro inteiro. Estava um horror. No sentido figurado, traduzia "sobremesa" como "overtable"! Como isto podia acontecer? O tradutor apresentara um ótimo curriculum, mas o trabalho estava péssimo. Com muito trabalho e despesa, por parte do cliente arrasado, o problema foi resolvido às vesperas da edição do livro. Desta vez, a história teve um "happy ending".

Afinal, realizar uma boa versão ou tradução é questão de bom conhecimento de línguas, boa redação e, o que é fundamental, um profundo entendimento das culturas do escritor e do leitor. Assim como o bom artista plástico precisa de mais que pincel e tinta, ser bilingüe é só o começo!





Traduzir do português ao espanhol: uma coisa muito simples

Rodolfo Alpízar Castillo
(Asociación Cubana de Traductores y Intérpretes)

«A tradução entre português e espanhol é demasiado fácil, nem sequer é precisa» – é uma afirmação que se encontra muito difundida. É verdade que a «parecença de família» entre ambas as línguas é forte, que a história comum dos povos hispano e lusofalantes é de longa data, que partilhamos uma cultura muito similar e que, para efeitos duma comunicação geral e pouco complexa, é possível encontrar pontos de aproximação que possibilitam que «a gente se entenda». Mas qualquer tradutor experiente sabe que tanta semelhança esconde não poucas armadilhas. Por exemplo, os «falsos amigos» estão constantemente prontos a estragar a transmissão da mensagem: nem é preciso esforçarmo-nos muito para obter um número significativo. Nos «culebrones» brasileiros, de que tanto se gosta na Hispano-América, não é raro encontrarmos muitos destes «falsos amigos», usados a todo o momento; alguns, por serem tão frequentes, têm-se tornado habituais e nem se dá por isso. Um deles é o adjectivo “esquisito”, que sempre aparece na versão espanhola traduzido por “exquisito”, palavra que em espanhol significa «que tem uma qualidade, um refinamento e um bom gosto fora do comum»:

“una comida exquisita” (um jantar delicioso);
“una acogida exquisita” (um acolhimento esmerado).

Quem pensa que a tradução entre português e espanhol é demasiado fácil e por vezes nem é necessária esquece ainda que existe um outro problema: a lusofonia é multicultural e multirracial, tal como a hispanofonia. No entanto, trata-se de dois sistemas muito complexos, entre os quais nem sempre existem coincidências culturais. Pensar que a tradução entre eles é uma coisa simples é mais uma mostra de ignorância. Não é igual traduzir para espanhol (de Espanha?, do México?, da Argentina?) um texto português ou um texto brasileiro ou cabo-verdiano. As diferenças culturais entre as três zonas são consideráveis. A minha experiência diz-me que me sinto mais à vontade nas traduções de obras africanas ou portuguesas. Mas, se tomarmos apenas o exemplo do Brasil, acaso têm as mesmas características um texto literário nordestino e um texto feito no Sul?

Tenho a sorte de, tendo traduzido muitas vezes do português para o espanhol, pelo menos uma vez ter sido traduzido para português europeu. Estou a referir-me a Sobre um Monte de Lentilhas, publicado pela Caminho em 2000, traduzido por Artur Guerra e Cristina Rodríguez. Isto tem-me permitido conhecer os dois ângulos do processo; esta minha experiência pessoal permite-me afirmar que a «facilidade para traduzir» entre as duas línguas é totalmente falsa.

É verdade que, para um hispanofalante como eu, é mais fácil traduzir do português do que do chinês ou do iraniano, mas nem por isso é questão de «atar e pôr ao fumeiro». Não poucas vezes, a dificuldade é tal que é preciso servir-se daquilo que, para muitos, é a confissão da ignorância do tradutor (afirmação com que não concordo): o rodapé. No entanto, aceito o rodapé se o trabalho do tradutor for entendido como um serviço de divulgação cultural, de abertura de fronteiras entre povos que se não conhecem. Quando fiz a tradução dum romance cabo-verdiano para os leitores hispanofalantes, pude dizer, simplesmente,

"fue a la cocina para ver si la comida ya estaba preparada"
(Lopes, Manuel, Lluvia brava, La Habana, 1990, p. 26),


mas achei ser meu dever não pôr no meu texto, “comida” – fraca tradução para mim, senão deixar a palavra “cachupa” (o que fiz), e dar ao leitor, no rodapé, a informação cultural que ele não tem. Algum teórico poderia dizer que deveria deixar “cachupa”, sem qualquer nota explicativa. O leitor é inteligente e compreende que é alguma comida típica, mas, nesse caso, ele nunca iria descobrir o que é a cachupa. Do mesmo modo, como autor, fiquei grato quando vi no meu romance as notas onde se esclarecem palavras próprias de Cuba como “mambí” (mesmo com uma pequena gralha), “machorra” (nota aliás imprescindível para compreender o jogo de palavras que vem logo a seguir) e algumas outras que o leitor português não podia conhecer. Apesar da gralha…

Entre as palavras portuguesas sem verdadeiros equivalentes em espanhol conta-se não só a tão falada “saudade” (que por vezes traduzimos por “nostalgía”, outras por “añoranza”, “melancolía”, “tristeza” ou mesmo “morriña”, mas nem sempre estamos certos de ter feito uma boa tradução); entre elas também está a não menos caracterizadora “luar”, que não tem equivalente em espanhol: umas vezes é “luz de luna”, outras, “claro de luna”, mas também, segundo o contexto, pode ser simplesmente “luna” (“noites de luar” – “noches de luna”).

Vem aqui à colação uma anedota: há pouco tempo, tive de fazer, para uma editorial, a avaliação de um caderno de poesia em português; o autor apresentava, junto de cada poema, una versão em espanhol, não sei se dele, mas acho que sim. Agora que, com a ajuda da Internet, podemos comunicar com os autores vivos, facilmente percebemos que eles nem sempre propõem as melhores soluções, mesmo conhecendo as duas línguas. Uma vez já tive de dizer: «O senhor pode ter razão, mas o falante nativo sou eu». Acho que faz bem ao tradutor não esquecer isso, mesmo respeitando em geral as opiniões autorais. Voltando à anedota, tratava-se de poesia moderna, sem metro nem rima, portanto, a quantidade de sílabas no verso não tinha importância. Em dado trecho, em português estava:

“o roxo que da luz parte / ... / meigo como o luar”

e em espanhol:

“el rojo que de la luz parte / ... / amoroso como el luar”.

O autor da tradução, além de se enganar com o falso amigo “roxo” (espanhol: “púrpura”, “violeta”; o espanhol “rojo” é o português “vermelho” ou “encarnado”), deixou “luar” por traduzir e pôs uma nota no rodapé a esclarecer que se tratava da luz da lua, facto que, para mim, bem merecia o nome de «traição». (Gostei, porém, de “amoroso” por “meigo”.)

É bem verdade que por vezes é conveniente deixar algumas palavras por traduzir (o caso de “saudade” pode ser uma delas), para deixar no leitor um certo «sabor» pessoal do autor, indefinível mas existente, que poderia perder-se na tradução. Mas não era o caso. Traduzir amoroso como “la luz de la luna”, ou, melhor ainda, “amoroso” como “luz de luna” era uma boa e simples solução para manter o sentido do verso.

Em geral, a tradução acima comentada sofria de um problema que é um risco permanente para quem traduz do português para espanhol, tanto na poesia como na prosa: ficar demasiado colada ao original. É evidente que o problema existe sempre, para qualquer par de línguas, mas, no caso do par português–espanhol, o risco é maior, dada a proximidade entre as duas línguas. É preciso estarmos sempre vigilantes neste sentido. Porém, também não é bom ter uma posição muito fechada a esse respeito. Penso que umas vezes o tradutor deve ficar «colado» ao original e outras deve afastar-se o máximo possível. O bom-senso (que se não estuda na escola, nem ensinam as teorias) deve dirigir a escolha.

Neste sentido, mais uma experiência pessoal: eu não posso dizer se a minha tradução de Levantado do Chão (José Saramago) é melhor, pior ou igual à de Basilio Losada, uma das pessoas que mais tem traduzido José Saramago, embora a minha tradução seja a mais antiga, pois ficou terminada em Abril de 1985 e apenas os problemas da indústria editorial do meu país impediram que ela fosse a primeira tradução para espanhol de um romance de Saramago. Mas o autor gostou mais do meu título em espanhol (Levantado del Suelo, La Habana, 1989; o título da edição espanhola do mesmo ano é Alzado...), o qual aparece nas mais recentes edições, por indicação de Saramago. Eu preferi «colar-me ao original», partindo da pergunta que me fiz: por que razão, existindo na sua língua duas possibilidades, “levantado” e “alçado”, o autor (que na altura eu desconhecia) preferiu a primeira? Além disso, qualquer coisa de subjectivo (um palpite, razão, aliás, nada científica) fazia-me sentir em “levantado” alguma conotação particular que tornava esta palavra preferível... E anos depois tive a satisfação de ouvir Saramago dizer-me que gostava.

Quer dizer que deve ser sempre assim? De modo nenhum. O que acho nunca dever faltar é o tradutor fazer-se a si próprio a pergunta: podendo usar “X”, porque é que o autor usou “Y”? Alguma razão teve, vamos tentar achá-la. Isso é, para mim, uma mostra do bom-senso do tradutor, da sua «arte». O conhecimento aprofundado das línguas, a cultura geral e o estudo constante são condições que todo e qualquer tradutor deve possuir, sejam quais foram as suas línguas de trabalho; mas nada disso faz uma boa tradução se faltar o bom-senso. Essa é a principal defesa do tradutor - para não se aplicar a ele, com razão, o anátema de «traidor». Mas também para converter o seu trabalho em arte, para merecer ele também ser chamado de criador.

No caso acima comentado, do caderno de poemas, faltou precisamente o bom-senso. E quem traduziu não agiu como criador, mas como traidor. Veja-se mais uma amostra. Onde em português dizia:

“O espelho que repousa no berço”

ele «colou-se» ao original e escreveu:

“El espejo que reposa en el verso”.

Falso amigo “verso” por “berço”? Pode ser; mas penso, em primeiro lugar, na falta de bom-senso, porque em português “verso” é bem conhecido, não vejo como possa confundir-se. Ou faltou a mão de um tradutor. Um verdadeiro tradutor não se enganaria.

Seria, então, o próprio autor, ou qualquer outro ‘intruso’ quem traduziu? Se julgarmos pelo resultado... Enfim, vê-se logo que a tradução entre português e espanhol é uma coisa muito simples! Ou não?

Fonte: www.instituto-camoes.pt (Centro Virtual Camões – No. 4 Maio 2004)

Descobrindo a lei de Muphry

Muphry's Law is the editorial application of the better-known Murphy's Law. Muphry's Law dictates that (a) if you write anything criticizing editing or proofreading, there will be a fault of some kind in what you have written; (b) if an author thanks you in a book for your editing or proofreading, there will be mistakes in the book; (c) the stronger the sentiment expressed in (a) and (b), the greater the fault; (d) any book devoted to editing or style will be internally inconsistent.

http://home.pacific.net.au/~bangsund/muphry.htm

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Introdução à legendagem de filmes (inglês-português)






Neste curso você irá aprender sobre tradução audiovisual e detalhes técnicos sobre a legendagem de filmes através de exercícios práticos envolvendo diferentes gêneros e características. Os exercícios serão corrigidos e comentados individualmente.

Uma ótima oportunidade de você ingressar nesse crescente mercado de trabalho .

Programa:

  • Introdução à tradução audiovisual
  • Características técnicas da legendagem
  • Introdução e prática de legendagem para DVD.
  • Exercícios semanais e individuais

Obs.: no fim haverá uma demonstração do uso de um software de legendagem, mas o software não será usado durante este curso.

Data: 01, 08, 15, 22 e 29 de setembro de 2008
Horário:
18h às 19h
Carga horária: 05 horas de aulas, mais exercícios individuais semanais
Investimento: R$ 307,00 (trezentos e sete reais).
Certificado: Será enviado certificado de participação no evento em até 30 dias após sua realização, sem custo adicional.
Local: Evento realizado através de áudio conferência pela Internet. Para saber mais clique aqui.

Palestrante:
Carolina Alfaro de Carvalho é graduada e mestre em letras e tradução pela PUC-Rio. Há mais de 8 anos trabalha com legendagem em diferentes modalidades, em inglês, espanhol e português. Há 3 anos ministra cursos de legendagem e tradução.

Para mais informações acesse www.aulavox.com/2008/09/c-afaro/legenda0109.htm

sábado, 9 de agosto de 2008

"We Missed You"?!

Pensamos que as traduções mais engraçadas estivessem na China!
Agradecimentos a Javier Escudero da StudyBrazil

10 anos de "Tradutor: Traidor ou Traído?"

Faz um pouco mais de 10 anos que este artigo foi publicado no jornal A Tarde.
Infelizmente, a situação que descreve continua quase igual. Sempre no intuito de informar e educar os colegas, clientes em potencial e o grande público, segue o texto integral com pequenas atualizações, grifadas em itálico.


TRADUTOR, TRAIDOR (OU TRAÍDO)? - REDUX

O caro leitor já leu a Bíblia? Se a resposta é sim, com certeza, tratava-se de uma tradução, a não ser que domine o grego ou o aramaico. Esse texto sagrado dos cristãos já foi vertido para quase todas as línguas conhecidas – e algumas praticamente desconhecidas, o colecionador e amigo Cid Teixeira que o diga. Somente na língua inglesa, os fiéis e estudiosos podem escolher de uma gama de versões, que vai da poética tradução encomendada pelo Rei James, a várias outras ditas atuais e até politicamente corretas.

De outro lado, qualquer brasileiro que pretende estender seus conhecimentos e cultura para além da rica literatura de sua própria língua tem duas alternativas – tornar-se poliglota ou entregar-se às mãos de um tradutor para ler o repertório obrigatório de obras clássicas da literatura universal, como Shakespeare (inglês antigo), Tolstoi (russo), Victor Hugo (francês) e Garcia Marques (castelhano).

Mas não são apenas aqueles que se dedicam às palavras divinas ou à cultura que dependem dessa mal-compreendida classe, a dos tradutores. Quase tudo que se passa no telão e até na telinha precisa de legendação ou dublagem. Além de romances, gibis, notícias do mundo publicadas nos jornais, colhidas de agências internacionais como a AP ou a Reuters. Enfim, uma grande parte do dia a dia de todas as classes sociais e todos os níveis intelectuais depende da arte e do ofício da tradução.

Então, como é que, ao menos no Brasil, essa tremenda responsabilidade é entregue a uma classe pouco valorizada? (O tradutor é considerado um reles “técnico”; não chega a ser visto como um profissional de nível superior.) São artistas e artesãos que, mesmo quando devidamente qualificados – a estas qualificações chegaremos em breve – geralmente carecem das mínimas condições necessárias para realizarem um bom trabalho. Em outras palavras, precisam de tempo suficiente para pesquisa e remuneração compatível com as exigências do dia de hoje, porque o tradutor bem equipado, no mínimo, precisa de um micro-computador potente, várias modalidades de software permanentemente atualizadas, um modem a cabo ou rede sem fio para ter acesso rápido à Internet, um notebook para viagem, além de um telefax e, é claro, um telefone fixo e celular.

Quanto às pressões de tempo, nenhum exemplo é melhor do que o tão criticado tradutor de filmes. Convenhamos, por exemplo, que na legendagem e na dublagem frequente- e famigeradamente erram, traduzindo o “sim” como “não” e até “perna” como “velório”! Mas nem por isso posso criticar a estes colegas (sim, eu também pertenço a esta tão desprezada classe), porque sei que o trabalho deles (ou delas) geralmente é realizado no tempo necessário para passar o filme!

Frequentemente, e esta situação não se limita ao Brasil, a pessoa física ou jurídica que precisa de uma tradução acredita nos seguintes mitos:

1. o primo de Fulano pode fazer o trabalho muito bem, porque cursou dois anos de “High School” nos Estados Unidos na década de 80, ou passou três anos na Inglaterra quando criança e “fala quase sem sotaque.”
2. um trabalho realizado em três meses a oito mãos por uma equipe multidisciplinar pode ser traduzido por uma pessoa em três dias (ainda mais se for pelo primo de Fulano!) - e uma tradução pode ser feita em até menos tempo que levou para digitar o documento original.
3. um bom tradutor pode realizar qualquer trabalho na hora, até por telefone, sem dicionários ou outras fontes de referência.
4. um tradutor competente se encontra em qualquer lugar (apesar de definirmos como capaz o tradutor que possui um conhecimento profundo das duas línguas, tem nível superior, pelo menos na língua alvo; tem excelente capacidade de interpretação de textos, trabalha rapidamente e com precisão, dispõe de equipamentos de ponta e sempre cumpre os prazos nem sempre negociados).
5. quem sabe traduzir de uma língua para outra (digamos, do português para o inglês) pode trilhar o caminho inverso (do inglês para o português) com a mesma facilidade.
6. a tradução não é uma atividade criativa ou literária - o tradutor apenas digita o texto em outra língua.
8. basta ter um dicionário bilíngüe para se tornar um tradutor.
9. os tradutores em breve serão substituídos pela informática.

Somente quando esses mitos forem erradicados e os profissionais que se dedicam à tradução como arte e ofício devidamente respeitados, poderemos dizer que o tradutor, antes traído pelo preconceito e a falta de informação, passará a ser um verdadeiro aliado da comunicação, do bom entendimento e da cultura universal.

-- Sabrina Gledhill

(Para ler o texto original, clique aqui)

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Tradução v. censura

A tradução incorreta das palavras de Condoleezza Rice sobre a indicação de Obama como candidato do Partido Democrático - efetivamente tornando-o o primeiro negro norte-americano com uma excelente chance de ser eleito Presidente dos Estados Unidos - me lembrou de um fato parecido, ocorrido nos idos de 1987, quando o regime do Apartheid ainda assolava na África do Sul.

O Bispo - agora Arcebispo - Desmond Tutu fez um discurso no Largo do Pelourinho, em inglês, com tradução consecutiva. Quando falava "blacks" (negros), o interprete traduzia como "as pessoas". Quando falava "whites" (brancos), foi novamente traduzido como "as pessoas". Só que o intérprete/censor se deu mal quando o bispo concluiu que "as pessoas" também eram prisioneiras do Apartheid - presas por trás dos muros erguidos para se proteger do crime e da violência gerados pela repressão "das pessoas". Com o fim do Apartheid, "as pessoas" poderiam sair de suas "prisões domiciliares".

Em outras palavras, a mensagem de paz e reconciliação proferida por um religioso foi deturpada por um ato consciente de censura. Naturalmente, o interprete teve que voltar atrás e falar de "negros" e "brancos". Ninguém me falou - eu presenciei.

-- Sabrina Gledhill

domingo, 20 de abril de 2008

Grandes Tradutores da História

Em 1923, a Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (no. 48, P. 353-363) publicou um artigo da autoria de Prof. Manoel Querino, titulado "Os homens de côr preta na Historia", no qual o autor fornece dados biográficos (em muitos casos, escassos, com apenas 3 linhas) de 38 afrodescendentes: médicos, militares, religiosos, revolucionários, bacharéis, músicos e educadores, além de um engenheiro (Emigdio Augusto de Mattos) e um médico que também era escritor e tradutor: Dr. Caetano Lopes de Moura (com português atualizado)

Contava dezoito anos de idade, quando se achou envolvido no movimento sedicioso de 1798. Era, então, professor de latim e conhecedor de outras disciplinas.
Por fugir à devassa que fora logo aberta, emigrou para o estrangeiro e conseguiu diplomar-se em medicina na Universidade de Coimbra. Entrando para o Corpo de Saúde do Exercito, militou na guerra da Península, como cirurgião-mor de Legião Portuguesa. Depois dirigiu-se à França, que lhe oferecia mais vasto campo às suas cogitações literárias e científicas, aí fixou residência e, finalmente, doutorou-se em medicina. Assim aparelhado para maiores empreendimentos, consagrou-se à clínica e dedicou os momentos de descanso ao estudo e aos trabalhos de gabinete. Nesse afã, compôs e traduziu do francês, do inglês e do alemão obras de valor, sobre história, ciência e literatura. Serviu na Armada francesa e fora médico particular de Napoleão Bonaparte, de quem escreveu importante biografia. Gozou de grande reputação como homem de letras.
O ilustre helenista Odorico Mendes disse a seu respeito: "O nosso ilustre compatriota é riquíssimo na linguagem". Velho, alquebrado e sem recursos, fora amparado pela munificência de D. Pedro II, que lhe concedeu modesta pensão que lhe proporcionou existência menos atribulada. Foi um baiano que honrou à terra natal, principalmente, no estrangeiro, onde se impôs à admiração dos espíritos mais eminentes do Velho Mundo, pelos seus conhecimentos literários e profunda ilustração. Essa circunstância ainda mais realçava o seu valor intelectual por quanto se tratava de um homem de cor, originário de um país ainda hoje mal julgado por povos que se dizem propugnadores do progresso, da ciência da arte e da literatura.
Também fornece uma relação de 36 "trabalhos que deu à estampa, em original ou em versão", inclusive várias obras de Sir Walter Scott.

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Gregory Rabassa

O homenageado, Gregory Rabassa, durante a cerimônia em Nova Orleans
Foto: Sabrina Gledhill

O IX Congresso da Associação de Estudos Brasileiros (Brasa IX) agraciou o tradutor e crítico literário Gregory Rabassa com o Lifetime Achievement Award - um prêmio pelo conjunto de sua obra - no dia 29 de março, na Universidade de Tulane em Nova Orleans. Tradutor de obras de Jorge Amado e Gabriel García Márquez, entre outros, recebeu a Medalha Nacional para as Artes do Congresso dos EUA em 2006.

sábado, 22 de março de 2008

Grandes Tradutores

A arte da tradução é valorizada em muitas partes do mundo. Infelizmente, no Brasil, o tradutor ainda é visto como um reles técnico ou, pior ainda, um digitador que "digita em outra língua". Para tentar reverter esta situação e superar o preconceito, daremos destaque a grandes tradutores do passado e presente neste Blog, começando com...

BAUDELAIRE

Charles Baudelaire, o grande poeta francês, autor de As flores do mal, também foi tradutor. Traduziu a obra do autor estadounidense Edgar Allan Poe para o francês entre 1852 e 1865. Baudelaire considerava Poe sua "alma gêmea".

Por algum motivo, os trabalhos lúgubres de Edgar Allan Poe fazem mais sucesso na França do que no seu próprio país. Sem dúvida, a qualidade da tradução foi um fator importante nesta façanha.



quarta-feira, 12 de março de 2008

Verbos novos e horríveis

Vejam o que estão fazendo com nosso idioma
Ricardo Freire

Não, por favor, nem tente me disponibilizar alguma coisa, que eu não quero.
Não aceito nada que pessoas, empresas ou organizações me disponibilizem.
É uma questão de princípios. Se você me oferecer, me der, me vender, me emprestar, talvez eu venha a topar. Até mesmo se você tornar disponível, quem sabe, eu aceite. Mas, se você insistir em disponibilizar, nada feito.
Caso você esteja contando comigo para operacionalizar algo, vou dizendo desde de já: pode ir tirando seu cavalinho da chuva. Eu não operacionalizo nada para ninguém e nem compactuo com quem operacionalize. Se você quiser, eu monto, eu realizo, eu aplico, eu ponho em operação. Se você pedir com jeitinho, eu até implemento, mas operacionalizar, jamais.
O quê? Você quer que eu agilize isso para você? Lamento, mas eu não sei agilizar nada. Nunca agilizei. Está lá no meu currículo: faço tudo, menos agilizar. Precisando, eu apresso, eu priorizo, eu ponho na frente, eu dou um gás. Mas agilizar, desculpe, não posso, acho que matei essa aula. Outro dia mesmo queriam reinicializar meu computador. Só por cima do meu cadáver virtual. Prefiro comprar um computador novo a reinicializar o antigo. Até porque eu desconfio que o problema não seja assim tão grave.
Em vez de reinicializar, talvez seja o caso de simplesmente reiniciar, e pronto.Por falar nisso, é bom que você saiba que eu parei de utilizar. Assim, sem mais nem menos. Eu sei, é uma atitude um tanto radical da minha parte, mas eu não utilizo mais nada. Tenho consciência de que a cada dia que passa mais e mais pessoas estão utilizando, mas eu parei. Não utilizo mais.Agora só uso. E recomendo. Se você soubesse como é mais elegante, também deixaria de utilizar e passaria a usar.
Sim, estou me associando à campanha nacional contra os verbos que acabam em "ilizar". Se nada for feito, daqui a pouco eles serão mais numerosos do que os terminados simplesmente em "ar". Todos os dias, os maus tradutores de livros de marketing e administração disponibilizam mais e mais termos infelizes, que imediatamente são operacionalizados pela mídia, reinicializando palavras que já existiam e eram perfeitamente claras e eufônicas.
A doença está tão disseminada que muitos verbos honestos, com currículo de ótimos serviços prestados, estão a ponto de cair em desgraça entre pessoas de ouvidos sensíveis.Depois que você fica alérgico a disponibilizar, como vai admitir, digamos, "viabilizar"?
É triste demorar tanto tempo para a gente se dar conta de que"desincompatibilizar" sempre foi um palavrão. Precisamos reparabilizar nessas palavras que o pessoal inventabiliza só para complicabilizar.
Caso contrário, daqui a pouco nossos filhos vão pensabilizar que o certo é ficar se expressabilizando dessa maneira. Já posso até ouvir as reclamações:"Você não vai me impedibilizar de falabilizar do jeito que eu bem quilibiliser".
Problema seu. Inclua-me fora dessa.

domingo, 9 de março de 2008

Pagando para ver?

"Pagar para ver" é um termo que vem dos jogos de azar - definidos pela Wikipedia como "jogos nos quais a possibilidade de ganhar ou perder não dependem da habilidade do jogador, mas sim exclusivamente do azar do apostador, encabeçando essa categoria temos a roleta."

Podemos chamar de "roleta russa" a tendência de contratar os tradutores que oferecem o preço mais baixo, em vez de verificar, primeiro, se todos os concorrentes têm as mesmas qualificações.

O verdadeiro "azar" vem quando a tradução arranha a imagem do cliente, fazendo que, em muitos casos, este perca dinheiro também. É o caso da revista que visa atrair turistas afrodescendentes dos Estados Unidos com uma capa que utiliza o termo "negro", com "n" minúsculo, para se referir à raça negra em inglês. Este termo, que, para começar, é sempre utilizado com "n" maiúsculo, é mais do que ultrapassado. Deixou de ser utilizado nos EUA na década de 60. Antes um termo neutro, passou a ser considerado pejorativo.

Em outras palavras, a revista que pretendia atrair o turista afro-americano - que prefere ser chamado de "African American", com toda razão - acabou por ofendê-lo. Só porque "apostou" no tradutor errado.

quinta-feira, 6 de março de 2008

Os Problemas da Tradução (Os Romances Russos)

Texto da autoria de "Collette-Doucet"
Veja a página original aqui

Existe a ideia de que uma boa tradução é aquela onde o leitor não consegue discernir qual a língua original em que o livro foi escrito. Os tradutores defensores desta ideia chegam ao ponto de substituir os nomes das personagens por transliterações aproximadas, onde o resultado final é um nome próprio bem português. Ora, tratando eu do caso das traduções de obras iterarias russas para a língua portuguesa, cabe a mim dar a minha opinião, não só como estudante da língua, mas também como leitora, sobre esses métodos, por mim considerados impróprios e antiquados.

Passaram por minhas mãos clássicos prosaicos escritos por Tólstoi, Dostoiévsky, Turguéniev, entre outros. Se não fizesse parte do meu conhecimento quais as boas e escassas versões em português dessas mesmas obras, faria eu parte do tão extenso grupo de portugueses que vê toda a literatura russa como algo enfadonho, confuso e pesado. A razão deste tipo de adjectivação pela maioria reside no facto de, até bem pouco tempo, serem inexistentes as traduções directas do russo. Custosamente encontro alguma lógica na técnica de traduzir sobre uma tradução. Pois se então se diz, que já com uma simples tradução directa a mensagem e o lirismo pelo caminho se perdem, não vejo o porquê de aumentar ainda mais este problema financiando ainda hoje uma tradução de Ánna Karénina do francês.

Se admiro muito o Sr. Saramago, como tão revolucionário escritor que é, resta-me declarar que como tradutor pouco mérito tem. Começo por apontar o quão desastrado foi a decisão de traduzir os nomes das personagens na sua tradução da obra acima apontada. Ao fim da terceira página, tem o leitor a impressão de que está perante a estória da família Silva a viver em Moscovo. Não há razões para traduzir os nomes. Porquê privar o leitor da satisfação de uma maior aproximação, que a não tradução dos nomes dá? É descabido traduzir o nome Serguéi, que no nosso registo civil se encontra, para Sérgio. A meu ver, os nomes não têm tradução, e em casos de nomes escritos em alfabetos diferentes ao nosso latino, contentemo-nos então com uma transliteração. Assumo que difícil é a tarefa de traduzir a simplicidade estrutural da língua russa. Mas quando em frente a este exemplar traduzido pelo nosso Nobel, não encontro sinais de uma prosa naturalmente simples, mas de uma confusão literária cheia de visíveis floreados dignos da língua francesa, que no português não funcionam. Uma tradução deve respirar a cultura, a história e a sociedade do país de raiz do livro. Existe uma passagem a meio do grande romance trágico de Tólstoi, onde um personagem descreve prolongadamente os campos, os ares e funcionamento dos kolhoz. Quando má traduzida, a descrição é imensamente confusa e deveras entediante. O génio de Tólstoi perde-se pelo caminho. A certa altura, não se percebe quem está a descrever, nem o que está a ser descrito.

Acontece porém, que há poucos meses atrás, um senhor chamado António Pescada traduziu esta mesma obra directamente do russo. O tradutor é licenciado pelo Conservatório de Letras de Moscovo em Língua e Literatura Russas. Numa entrevista ao DN, António Pescada mostrou o seu descontentamento quanto ao diminuto número de boas traduções dos clássicos russos. Foi esta a grande razão porque pôs ele mãos a obra. A passagem da qual falei foi a que mais trabalho deu a Pescada e só com muito esforço, criatividade e re-revisões ficou, e não totalmente, ele contente. Lembro-me de concordar com uma passagem na sua entrevista onde afirmava que se um romance é russo, deve-se entender que é russo. Porquê disfarçar a naturalidade do romance? Ainda para mais no nosso mundo de hoje onde a globalização está mais que presente. António Pescada precisou à volta de um ano para concluir a sua tradução. Chego eu à conclusão que falta de empenho, aliada a prazos apertados e maus financiamentos sãos os motivos que levam a muitos traduzir de forma incorrecta. Se Saramago repudiou as notas de rodapé à boa velha maneira, Pescada utilizou-as sempre que um termo, que chamava por explicação, na narrativa aflorava. Os apologistas da rejeição destas notas defendem a sua posição, argumentado que estas indicações quebram a leitura do livro. Eu digo que nem toda a gente tem cultura geral suficiente para entender o que kolhoz ou kvass quer dizer. E significa isso que essas pessoas não têm também o direito de entender na íntegra um romance russo? Não quebrará mais a leitura a ida a uma enciclopédia aquando o não entendimento de termos relacionados com a história e cultura russa? Ou pior, que por simples inércia, a leitura essas pessoas prossigam sem entenderam o que estão a ler?

A jeito de esclarecimento exporei um pequeno exemplo de um caso de má tradução. Algures no final do romance de Dostoievski "O Jogador" traduzida do francês por Delfim de Brito encontra-se a seguinte passagem: "Beijámo-nos cordialmente e Mr. Astley foi-se embora.". A última tradução desta obra por António Pescada é um pouco diferente: "Abraçámo-nos calorosamente e Mister Astley foi-se embora.". É de sublinhar que as duas personagens em questão são dois homens. Quando tomei conhecimento da tradução de Delfim de Brito, fiquei chocadíssima, pois nunca imaginei que Mister Astley e o personagem principal da narrativa se poderiam beijar. Vejamos, a estória passa-se a meados do século XIX, e o erro deverá provir da confusão do tradutor francês, que vendo os líderes comunistas do século XX se cumprimentarem por meio de um beijo, pensou talvez que desde sempre se cumprimentam os homens na Rússia desta forma. O verbo utilizado em russo não é o beijar, mas sim abraçar: Обнимать.

Resta-me congratular os fabulosos tradutores que são António Pescada, Nina Guerra e Filipe Guerra. Ao primeiro, principalmente, por ter disponibilizado ao público português uma óptima tradução da belíssima obra de Bulgákov que é "Margarita e o Mestre". Aos outros dois a fantástica tradução de "Guerra e Paz" de Lév Tólstoi em quatro volumes, pela qual foram já premiados.


Você aceita uma "overtable"?

Texto da autoria de H. Sabrina Gledhill

Certa vez, chamaram minha atenção ao website do Departamento de Turismo de um país latino-americano. Escrito em seu próprio idioma, o espanhol, fornecia também versões em inglês e português. A língua de Shakespeare encontrava-se num estado lastimável ("renovable visas" e outros tantos), mas o que mais me impressionou foram as reações de brasileiros quando testemunharam o massacre da língua de Camões. Variavam do escárnio à raiva. Aí, me perguntei, será que a maioria dos brasileiros sabe como e quanto o inglês e o espanhol são massacrados nas versões realizadas em seu país?

Existem mais pessoas no mundo que falam o inglês como segunda língua do que ditos nativos. Portanto, aqueles que "nascem" falando o inglês não só perdoam sotaques (eufemismo para má pronúncia e erros de gramática) como acham cute (bonitinho) e até románticos ou sexy, por exemplo, nos casos de Sônia Braga ou Antonio Banderas (ou, atualizando, de Rodrigo Santoro e Javier Bardem). Mas, convenhamos, uma grande empresa ou órgão do governo não ficaria nem um pouco contente se um relatório anual ou livro de arte seu, que representa um farto investimento na sua imagem, fosse considerado, na melhor das hipóteses, cute. Se quiserem ser levados a sério e até evitarem o ridículo no mercado globalizado, é preciso certificar que o seu inglês seja "para inglês ver". Por que isto é difícil?

Para a maioria das pessoas físicas e jurídicas, contratar um tradutor para verter um texto é parecido com um cego ou daltônico que contrata alguem para pintar sua casa. Como é que ele pode certificar que seu domicílio foi pintado de azul claro, como combinaram, e não de roxo ou rosa choque? Naturalmente, a resposta é óbvia: contratando uma pessoa de confiança e conferindo com terceiros que enxergam bem. Ao contrário, só descobrirá o mau resultado quando ouvir as risadas e até piadas daqueles que passam em frente à casa.

Mas isto é apenas uma face da moeda. O tradutor seria melhor comparado a um artista plástico que a um pintor de paredes. O artista pode ser daqueles que "pintam pelos números", retratando cada feição do modelo com fidelidade fotográfica, mas deixando de mostrar o conjunto e até a alma da pessoa. Se tiver talento, experiência e instrução, será daqueles que interpretam, recriam e espelham o modelo, produzindo uma obra que é uma festa para os olhos. Quando o tradutor se prende às palavras, o significado se perde de vista. E muitas palavras são amigas da onça – por exemplo, a palavra "azul" só pode ser vertido para o inglês como "blue" quando, de fato, se trata de quadros, paredes etc. Os significados que fogem do pé da letra são muito diferentes. Em outros contextos, a palavra "blue" pode ser "triste" ("I'm blue"). Pode também significar "pornô" quando se trata de cinema ("blue movies"). O comprador que se cuide…

É necessário, portanto, um profundo conhecimento das nuanças e da cultura da língua alvo, alem do idioma em si. Infelizmente, muitos tradutores que fazem ótimas traduções para o português tropeçam nas palavras quando realizam versões. Certa feita, fui convidada a verter as legendas de um livro para o inglês. Quando surgiu uma dúvida quanto à versão de um termo no miolo (para manter a uniformidade), estranhei a resposta e o cliente pediu que eu revisasse o livro inteiro. Estava um horror. No sentido figurado, traduzia "sobremesa" como "overtable"! Como isto podia acontecer? O tradutor apresentara um ótimo currículum, mas o trabalho estava pessimo. Com muito trabalho e despesa, por parte do cliente arrasado, o problema foi resolvido às vesperas da edição do livro. Desta vez, a história teve um "happy ending".

Espero que tenha lançado uma semente de dúvida quanto à qualidade das versões para línguas estrangeiras produzidas no Brasil e na Bahia, salvo ilustres exceções. Mas também gostaria de oferecer algumas soluções. A longo prazo, sugiro a implementação de cursos de tradução e um sistema de certificação profissional reconhecida em todo o país. Na Inglaterra, os tradutores fazem uma prova e os aprovados recebem um certificado ou diploma que serve para comprovar suas qualificações. No Canadá, o profissional qualificado tem que ser bacharel em tradução. Isto seria o ideal. Por enquanto, voltamos à metáfora do cego e o pintor. Primeiro, o contratante deve pedir o currículum e as referências do candidato; segundo, pede-se uma amostra, com preferência, do trabalho a ser realizado, o que deve ser avaliada por um terceiro isento e, naturalmente, qualificado.

Afinal, realizar uma boa versão ou tradução é questão de bom conhecimento de línguas, boa redação e, o que é fundamental, um profundo entendimento das culturas do escritor e do leitor. Assim como o bom artista plástico precisa de mais que pincel e tinta, ser bilingüe é só o começo!


Artigo publicado no jornal português O Primeiro de Janeiro

A tradução tem muitas toupeiras

Veja este artigo no blog
Tradutores, Traidores & Simpatizantes

Você, o Cliente/You, the Client


"If I'm selling to you, I must speak your language. If I'm buying, 'dann muessen Sie Deutsch sprechen' [then you must speak German]
Willy Brandt (1913-1992), German Chancellor (1969–1974)
Estas dicas são da autoria de João Roque Dias, um tradutor radicado em Portugal.

terça-feira, 4 de março de 2008

Tradutor, traidor ou traído?

Texto da autoria de H. Sabrina Gledhill

O caro leitor já leu a Bíblia? Se a resposta é sim, com certeza, tratava-se de uma tradução, a não ser que domine o grego ou o aramaico. Esse texto sagrado dos cristãos já foi vertido para quase todas as línguas conhecidas – e algumas praticamente desconhecidas, o colecionador e amigo Cid Teixeira que o diga. Somente na língua inglesa, os fiéis e estudiosos podem escolher de uma gama de versões, que vai da poética tradução encomendada pelo Rei James, a várias outras ditas atuais e até políticamente corretas.

De outro lado, qualquer brasileiro que pretende estender seus conhecimentos e cultura para além da rica literatura de sua própria língua tem duas alternativas – tornar-se poliglota ou entregar-se às mãos de um tradutor para ler o repertório obrigatório de obras clássicas da literatura universal, como Shakespeare (inglês antigo), Tolstoi (russo), Victor Hugo (francês) e Garcia Marques (castelhano).

Mas não são apenas aqueles que se dedicam às palavras divinas ou à cultura que dependem dessa mal-compreendida classe, a dos tradutores. Quase tudo que se passa no telão e até na telinha precisa de legendação ou dublagem. Além de romances, gibis, notícias do mundo publicadas nos jornais, colhidas de agências internacionais como a AP ou a Reuters. Enfim, uma grande parte do dia a dia de todas as classes sociais e todos os níveis intelectuais depende da arte e do ofício da tradução.

Então, como é que, ao menos no Brasil, essa tremenda responsabilidade é entregue a uma classe pouco valorizada? (O tradutor é considerado um reles “técnico”; não chega a ser visto como um profissional de nível superior.) São artistas e artesãos que, mesmo quando devidamente qualificados – a estas qualificações chegaremos em breve – geralmente carecem das mínimas condições necessárias para realizarem um bom trabalho. Em outras palavras, precisam de tempo suficiente para pesquisa e remuneração compatível com as exigências do dia de hoje, porque o tradutor bem equipado, no mínimo, precisa de um micro-computador tipo Pentium, várias modalidades de software permanentemente atualizadas, telefax, telefone – no mínimo duas linhas, uma para voz e outra para Internet e telefax – e acesso à Internet, já que o correio eletrônico vem superando os meios tradicionais de recebimento e entrega de trabalhos.

Quanto às pressões de tempo, nenhum exemplo é melhor do que o tão criticado tradutor de filmes. Convenhamos, por exemplo, que na legendagem e na dublagem frequente- e famigeradamente erram, traduzindo o “sim” como “não” e até “perna” como “velório”! Mas nem por isso posso criticar a estes colegas (sim, eu também pertenço a esta tão desprezada classe), porque sei que o trabalho deles (ou delas) geralmente é realizado no tempo necessário para passar o filme!

Frequentemente, e esta situação não se limita ao Brasil, a pessoa física ou jurídica que precisa de uma tradução acredita nos seguintes mitos:

1. o primo de Fulano pode fazer o trabalho muito bem, porque cursou dois anos de “High School” nos Estados Unidos na década de 80, ou passou três anos na Inglaterra quando criança e “fala quase sem sotaque.”
2. um trabalho realizado em três meses a oito mãos por uma equipe multidisciplinar pode ser traduzido por uma pessoa em três dias (ainda mais se for pelo primo de Fulano!).
3. um bom tradutor pode realizar seu trabalho na hora, até por telefone, sem dicionários ou outras fontes de referência.
4. um tradutor competente se encontra em qualquer lugar (apesar de definirmos como capaz o tradutor que possui um conhecimento profundo das duas línguas, tem nível superior, pelo menos na língua alvo; tem excelente capacidade de interpretação de textos, trabalha rápidamente e com precisão, dispõe de equipamentos de ponta e sempre cumpre os prazos nem sempre negociados).
5. quem sabe traduzir de uma língua para outra (digamos, do português para o inglês) pode trilhar o caminho inverso (do inglês para o português) com a mesma facilidade.
6. os tradutores em breve serão substituidos pela informática.

Somente quando esses mitos forem erradicados e os profissionais que se dedicam à tradução como arte e ofício devidamente respeitados, poderemos dizer que o tradutor, antes traído pelo preconceito e a falta de informação, passará a ser um verdadeiro aliado da comunicação, do bom entendimento e da cultura universal.

H. Sabrina Gledhill é inglesa, radicada na Bahia desde 1986. Além de tradutora (com muito orgulho) e brasilianista, com Mestrado na área de Estudos Latino-Americanos da Universidade de Califórnia em Los Angeles – UCLA, também é Bacharel em Letras Inglesas e Bacharel Internacional da ONU. Ao longo de sua carreira, traduziu para o inglês várias publicações culturais e outras, inclusive mais de 25 livros publicados no Brasil e no exterior. Antes de fixar-se no Brasil, trabalhou como jornalista e editora nos Estados Unidos.

Artigo publicado no jornal A Tarde em 24 de julho de 1998